Diferencia entre revisiones de «COLATINA; (Espírito Santo) - Diocese»

De Dicionário de História Cultural de la Iglesía en América Latina
Ir a la navegaciónIr a la búsqueda
 
(No se muestra una edición intermedia del mismo usuario)
Línea 1: Línea 1:
A Diocese de Colatina foi criada pelo Papa João Paulo II no dia 23 de abril de 1990, como parte da Província Eclesiástica do Estado do Espírito Santo (Brasil). Seu nascimento teve início em 1988, a partir dos esforços do então arcebispo de Vitória, Dom Silvestre Luiz Scandian, que observava atento o desenvolvimento da região noroeste do Estado e a necessidade de expandir a dimensão espiritual e pastoral da Igreja.  
+
== ==
 +
A Diocese de Colatina foi criada pelo Papa João Paulo II no dia 23 de abril de 1990, como parte da Província Eclesiástica do Estado do Espírito Santo ([[BRASIL;_Afrodescendientes | Brasil]]). Seu nascimento teve início em 1988, a partir dos esforços do então arcebispo de Vitória, Dom Silvestre Luiz Scandian, que observava atento o desenvolvimento da região noroeste do Estado e a necessidade de expandir a dimensão espiritual e pastoral da Igreja.  
  
 
A instalação da Diocese de Colatina ocorreu em 15 de julho de 1990, quando também tomou posse seu primeiro bispo, Dom Geraldo Lyrio Rocha. Em mais de 10 anos de trabalho, Dom Geraldo firmou as bases da nova Diocese. Ele permaneceu como bispo de Colatina até janeiro de 2002, quando assumiu a Arquidiocese de Vitória da Conquista (BA).  
 
A instalação da Diocese de Colatina ocorreu em 15 de julho de 1990, quando também tomou posse seu primeiro bispo, Dom Geraldo Lyrio Rocha. Em mais de 10 anos de trabalho, Dom Geraldo firmou as bases da nova Diocese. Ele permaneceu como bispo de Colatina até janeiro de 2002, quando assumiu a Arquidiocese de Vitória da Conquista (BA).  
Línea 14: Línea 15:
 
20 pastorais e 14 movimentos; Cáritas Diocesana de Colatina; Escola Diaconal São Filipe; Escola Catequética; Escola Vocacional; Centro de Estudos da Diocese de Colatina (Cedic);  Seminário Maior Maria Mãe da Igreja; Seminário Menor Maria Mãe dos Pobres; Instituto Espírito Santo de Inovação Social (Iesis);  Santuário Diocesano Nossa Senhora da Saúde; Mosteiro Santíssima Trindade; Casa Sacerdotal; Associação Amigos do Seminário; Cordis Paramentos e Objetos Litúrgicos; Livraria Cordis; Fundação Educacional Monsenhor Alonso Leite (Femal); Folheto Litúrgico O Dia do Senhor;  Fazenda da Esperança Santa Luzia; Comunidade Terapêutica Betânia.  
 
20 pastorais e 14 movimentos; Cáritas Diocesana de Colatina; Escola Diaconal São Filipe; Escola Catequética; Escola Vocacional; Centro de Estudos da Diocese de Colatina (Cedic);  Seminário Maior Maria Mãe da Igreja; Seminário Menor Maria Mãe dos Pobres; Instituto Espírito Santo de Inovação Social (Iesis);  Santuário Diocesano Nossa Senhora da Saúde; Mosteiro Santíssima Trindade; Casa Sacerdotal; Associação Amigos do Seminário; Cordis Paramentos e Objetos Litúrgicos; Livraria Cordis; Fundação Educacional Monsenhor Alonso Leite (Femal); Folheto Litúrgico O Dia do Senhor;  Fazenda da Esperança Santa Luzia; Comunidade Terapêutica Betânia.  
  
A Diocese de Colatina está em sintonia com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. É uma Diocese com alto nível de organização administrativa e pastoral. Suas ações presam pela transparência e dignidade humana. Aos 25 anos, a Diocese de Colatina dá mostras de que alcança a maturidade, com presença marcante do laicato e de vocações religiosas. Atualmente (2016), conta-se com o trabalho de 38 padres diocesanos, 20 religiosos, 13 congregações femininas, 7 masculinas e 12 diáconos permanentes.
+
A Diocese de Colatina está em sintonia com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no [[BRASIL;_Afrodescendientes | Brasil]]. É uma Diocese com alto nível de organização administrativa e pastoral. Suas ações presam pela transparência e dignidade humana. Aos 25 anos, a Diocese de Colatina dá mostras de que alcança a maturidade, com presença marcante do laicato e de vocações religiosas. Atualmente (2016), conta-se com o trabalho de 38 padres diocesanos, 20 religiosos, 13 congregações femininas, 7 masculinas e 12 diáconos permanentes.
  
  
Línea 20: Línea 21:
  
  
''Dom Geraldo Lyrio Rocha:'' Natural de Fundão (ES); Data de nascimento: 14 de março de 1942; Primeiro bispo diocesano (de 1990 a 2002); Vice-presidente do Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) de 2003 a 2007; Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) de 2007 a 2011.
+
''Dom Geraldo Lyrio Rocha:'' Natural de Fundão (ES); Data de nascimento: 14 de março de 1942; Primeiro bispo diocesano (de 1990 a 2002); Vice-presidente do Conselho Episcopal Latino-Americano ([[CONSEJO_EPISCOPAL_LATINOAMERICANO_(CELAM) | Celam]]) de 2003 a 2007; Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do [[BRASIL;_Afrodescendientes | Brasil]] (CNBB) de 2007 a 2011.
  
 
''Dom Décio Sossai Zandonade:'' Natural de Venda Nova do Imigrante (ES); Data de nascimento: 2 de dezembro de 1942; Segundo bispo diocesano (de 2003 a 2014); Reitor do Santuário Diocesano Nossa Senhora da Saúde.
 
''Dom Décio Sossai Zandonade:'' Natural de Venda Nova do Imigrante (ES); Data de nascimento: 2 de dezembro de 1942; Segundo bispo diocesano (de 2003 a 2014); Reitor do Santuário Diocesano Nossa Senhora da Saúde.
Línea 28: Línea 29:
  
 
'''CAIO BOSCHI'''
 
'''CAIO BOSCHI'''
 +
 +
<relatedtags>
 +
[[BRASIL;_Afrodescendientes|BRASIL; Afrodescendientes]]
 +
 +
[[CONSEJO_EPISCOPAL_LATINOAMERICANO_(CELAM)|CONSEJO EPISCOPAL LATINOAMERICANO (CELAM)]]
 +
</relatedtags>

Revisión actual del 15:51 7 ago 2020

A Diocese de Colatina foi criada pelo Papa João Paulo II no dia 23 de abril de 1990, como parte da Província Eclesiástica do Estado do Espírito Santo ( Brasil). Seu nascimento teve início em 1988, a partir dos esforços do então arcebispo de Vitória, Dom Silvestre Luiz Scandian, que observava atento o desenvolvimento da região noroeste do Estado e a necessidade de expandir a dimensão espiritual e pastoral da Igreja.

A instalação da Diocese de Colatina ocorreu em 15 de julho de 1990, quando também tomou posse seu primeiro bispo, Dom Geraldo Lyrio Rocha. Em mais de 10 anos de trabalho, Dom Geraldo firmou as bases da nova Diocese. Ele permaneceu como bispo de Colatina até janeiro de 2002, quando assumiu a Arquidiocese de Vitória da Conquista (BA).

Em 14 de maio de 2003, Dom Décio Sossai Zandonade, então bispo auxiliar de Belo Horizonte (MG), foi nomeado bispo de Colatina, tendo tomado posse em 6 de julho daquele ano. Durante seu episcopado, Dom Décio incentivou o nascimento de novas comunidades e paróquias, voltou atenção especial para as pastorais sociais e para o Santuário Diocesano Nossa Senhora da Saúde. No dia 14 de maio de 2014, teve seu pedido de renúncia aceito pelo Papa Francisco, tornando-se bispo emérito. Nesse mesmo dia, Dom Joaquim Wladimir Lopes Dias, que era bispo auxiliar de Vitória, foi nomeado administrador apostólico. No ano seguinte, em 4 de março de 2015, ele tornou-se bispo da Diocese de Colatina.

A Diocese de Colatina abrange 17 municípios do noroeste do Espírito Santo: Aracruz, Baixo Guandu, Colatina, Governador Lindenberg, Ibiraçu, Itaguaçu, Itarana, João Neiva, Laranja da Terra, Linhares, Marilândia, Pancas, Rio Bananal, Santa Teresa, São Domingos do Norte, São Roque do Canaã e Sooretama. São quase 800 Comunidades Eclesiais de Base, distribuídas em 31 paróquias que se organizam em cinco áreas pastorais: de Colatina, do Café, BR-101 Norte, BR-101 Sul e Linha Ita.

Esta Diocese ocupa uma área de pouco mais de 13 mil quilômetros quadrados. Seu território apresenta composições geográficas e situações socioeconômicas distintas. Os 17 municípios que a formam têm suas origens ligadas à imigração italiana, ocorrida no final do século 19. Além do trabalho árduo na agricultura, os primeiros imigrantes trouxeram consigo a religiosidade como maior herança. Ao passar das décadas, os descentes garantiram a transmissão de valores cristãos e familiares.


Instituições e Serviços (2016):

20 pastorais e 14 movimentos; Cáritas Diocesana de Colatina; Escola Diaconal São Filipe; Escola Catequética; Escola Vocacional; Centro de Estudos da Diocese de Colatina (Cedic); Seminário Maior Maria Mãe da Igreja; Seminário Menor Maria Mãe dos Pobres; Instituto Espírito Santo de Inovação Social (Iesis); Santuário Diocesano Nossa Senhora da Saúde; Mosteiro Santíssima Trindade; Casa Sacerdotal; Associação Amigos do Seminário; Cordis Paramentos e Objetos Litúrgicos; Livraria Cordis; Fundação Educacional Monsenhor Alonso Leite (Femal); Folheto Litúrgico O Dia do Senhor; Fazenda da Esperança Santa Luzia; Comunidade Terapêutica Betânia.

A Diocese de Colatina está em sintonia com as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. É uma Diocese com alto nível de organização administrativa e pastoral. Suas ações presam pela transparência e dignidade humana. Aos 25 anos, a Diocese de Colatina dá mostras de que alcança a maturidade, com presença marcante do laicato e de vocações religiosas. Atualmente (2016), conta-se com o trabalho de 38 padres diocesanos, 20 religiosos, 13 congregações femininas, 7 masculinas e 12 diáconos permanentes.


Episcopológio:

Dom Geraldo Lyrio Rocha: Natural de Fundão (ES); Data de nascimento: 14 de março de 1942; Primeiro bispo diocesano (de 1990 a 2002); Vice-presidente do Conselho Episcopal Latino-Americano ( Celam) de 2003 a 2007; Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) de 2007 a 2011.

Dom Décio Sossai Zandonade: Natural de Venda Nova do Imigrante (ES); Data de nascimento: 2 de dezembro de 1942; Segundo bispo diocesano (de 2003 a 2014); Reitor do Santuário Diocesano Nossa Senhora da Saúde.

Dom Joaquim Wladimir Lopes Dias: Natural de Cafelândia (SP); Data de nascimento: 23 de outubro de 1957; Bispo diocesano (desde 2015); vice-presidente do Regional Leste 2 da CNBB.


CAIO BOSCHI